Pra buscar algum porquê de fazer teatro, por que ficar sem o fazer não tem por que, nem da, nem seria possível evitar. Pra rir e pra chorar, para chorar de rir e rir por não poder mais chorar. Tente, tente, tente e uma hora sai. E assim vai, e assim vai. Às vezes cai, mas mesmo assim vai. E se é teatro, esperamos que seja, que seja música. Poesia, prosa, e um tanto de qüiproquó. Mas que depois do balacobaco, fica um tanto brechtiano, e no final a Mãe Coragem tira os pães do forno e está pronto. É hora da ceia, do recheio, do centeio do pão. De dividir o gole do gole de uma gota de um pouco do que a gente viu. E descobriu e quer contar. Gole de vinho sem álcool, porque Dionísio nos fez descer do salto. Se vão rir ou chorar, a gente já viu, já sentiu e quer mais. E no final (do ponto do ônibus) a gente pega o caminho mais longo só pra conversar... E a gente fala, e como fala. Arte do ator, arte da palavra à toa. Mas numa boa, é fim, finito, Zé fini, o Zé feito Severinos como outros na vida, pelos quais a gente grita, e grita, e grita (e quando sobra prosa no encalço, canta). É hora da janta e não tem bóia. Mas uma hora vai ter. Vocês vão ver...Vai ter... Vai ter. Vai.



segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Primeiro Convite

Em um diálogo entre o texto “Ralé” escrito em 1901 por Máximo Gorki, e músicas do universo de Adoniran Barbosa trazemos à cena algumas vidas, pessoas que vivem à margem da sociedade, ou no fundo (como sugere o título no original) aglomeradas em um albergue, o que no Brasil poderíamos chamar de cortiço, entregando-se a sonhos, álcool e lembranças para sobreviver. Sempre colocando em cheque suas histórias de vida revelando nesta estrutura as realidades de opressor e oprimido, de individuo e fruto do meio, entre as reais tentativas de mudança e as utopias alimentadas. Com Ralé, queremos expor uma realidade social a partir da humanidade de cada uma dessas vidas e indagar: “E essa gente aí, como é que faz?”

Local:
Universidade São Judas Tadeu.
Rua Taquari, nº 546 - Mooca
Sala T 01 A
Novembro
Sábados: 01 e 08 às 11h00Dias: 04 05 06 11 12 e 13 às 21h00




TCC dos alunos de Artes Cênicas
Universidade São Judas Tadeu